Pe. Cláudio Weronig

 

......

O Venerável Padre Lanteri
FUNDAÇÃO OMV


Após um período de muita dor na vida de fé do povo do Piemonte, região do norte da Itália, dor esta causada pelos horrores sofridos na passada Revolução Francesa, alguns padres pensaram em fazer algo juntos e foram buscar ajuda no experiente teólogo, o Padre Pio Bruno Lanteri, para que pudesse ajudá-los a servir melhor esse povo sofrido e sem esperanças.

Esse grupo inicia um bonito trabalho numa cidadezinha próxima de Turim, chamada Carignano, no ano de 1816. Nessa época eles eram conhecidos como os Oblatos de Maria Santíssima e não formavam ainda uma congregação religiosa (como os franciscanos ou os jesuítas), mas formavam até então uma “Pia União Eclesiástica”, como se dizia na época. Eram padres que se reuniram para viver melhor sua vocação, servindo o povo de Deus.

Acontece que os outros padres daquela região passaram a criticar os Oblatos, pois estes pregavam diferentemente deles, para os quais tudo era pecado! O inferno era mais falado nas pregações do que o amor de Deus, e chegavam ao extremo de negar o perdão a muitas pessoas que iam se confessar. Ora, os Oblatos se recusavam a falar de Deus desse jeito. Preferiam anunciar o “Deus de Jesus”, aquele Deus que exigia uma fé madura e comprometida, mas que não colocava fardos pesados nas costas dos outros. Pelo contrário, os Oblatos entendiam as dificuldades pelas quais passavam as pessoas e faziam de tudo para que elas se sentissem animadas, amadas e acolhidas por Deus, para assim seguirem Jesus por amor e não por medo.

Isso provocou uma certa divisão entre muitos padres e os Oblatos. O bispo ficou com medo de que essa divisão causasse problemas na sua diocese (afinal, a Revolução Francesa tinha acabado, mas o trauma das divisões internas na Igreja ainda não tinha passado...). Por isso, começou a pressionar os Oblatos para que não pregassem daquele jeito. Se não mudassem o rumo das pregações e das confissões, eles deveriam parar com suas atividades. Foi então que, em 1820, eles preferiram encerrar as atividades “oficiais” naquela cidade. Continuaram ajudando as pessoas, mas não como uma congregação canonicamente estabelecida, porém de maneira mais individual. No entanto, ainda se reuniam para partilhar suas experiências e dificuldades.

Quando o bispo de Pinerolo, uma cidade próxima dali, ficou sabendo dessa confusão, mandou chamar os Oblatos para trabalharem em sua diocese, pois gostava muito de Padre Lanteri e também conhecia o bonito trabalho missionário que seus “seguidores” estavam realizando junto ao povo, especialmente junto aos mais pobres.

Nasce, então, oficialmente a Congregação dos Oblatos de Maria Virgem, aprovada pelo Papa Leão XII logo em seguida com um documento chamado “Etsi Dei Filius”, no dia 01 de setembro de 1826.
.

VOLTAR